Como se organizar para a vistoria da obra?

Faz uns dias que divulguei no instagram que fomos chamados para realizar a primeira vistoria na obra do apê!

É finalmente o momento tão esperado de colocar os pezinhos pela primeira vez dentro da nossa unidade ( já que no condomínio já entramos algumas vezes, a primeira, na fase de visitação que mostrei aqui! ) !
Mas deixando toda a ansiedade e frio na barriga que ficamos, foi a hora de ficar com a realidade e lembrar para que serve e nos organizarmos para realizar a vistoria da Obra.

A vistoria é fundamental para que você garanta que a entrega do apê seja realmente seu sonho, concreto, e não uma dor de cabeça por uma obra mal feita ou mal acabada!

Duas coisas importantes para a vistoria: leve equipamentos e monte um check-list!

O que levei para a vistoria:

itens-previst02

 

– Câmera Fotográfica (CLARO!)
– Trena
– Nível
– Balde
– Bloco de anotações + caneta
– checklist

Meu check-list

Para montar meu check list comecei pelo memorial descritivo, de lá, extrai os principais pontos da obra, como os detalhes elétricos e hidráulicos, os acabamentos, as marcas que devem ser usadas em torneiras, cubas, vasos … E todo o descritivo de tamanhos também!

Também fiz várias pesquisas para entender os principais problemas que as pessoas passaram com o ape novo, e criei uma lista com uma série de detalhes que mereciam ser avaliados durante a vistoria, como por exemplo:

  • Pressão da água: abrindo várias torneiras, para garantir que todas tenham pressão suficiente.
  • Escoamento: Aproveitando o teste da pressão, veja se todas as pias e ralos estão com escoamento ok (Balde!)
  • Vedação de torneiras e encanamentos: nos locais de escoamento de água, validar se está sem infiltrações, se não tem rachaduras nos encanamentos externo.
  • Esquadraria: Abrir e fechar todas as portas e janelas, verificar se todas estão fechando corretamente. Fechar as janelas e portas, e ver se a vedação das janela está correta (se não passa claridade, se não há frestas), as portas, ver se não pegam no chão, se fecham corretamente.
  • Verificar se tem pontos de tomada em todos os cômodos  (aproveite para contar, e se planejar! )
  • Saída de gás da cozinha e do aquecedor a gás
  • Pontos de saída de água
  • Regularidade das paredes, pisos e balcões, ver se estão retos, sem ‘barrigas’.
  •  Verificar se os bocais e espaços para luminárias estão com os fios aparentes para instalação elétrica
  • Verificar as medidas dos ambientes, altura as pedras e balcão, etc.
  • Quadro de luz: se está instalado corretamente, se está com os cômodos identificados.

E cada detalhe e cantinho mais que conseguir, pode validar!

Dicas preciosas que sempre vejo: Anotem TUDO, tirem fotos, façam vídeos para garantir que tudo que estiver correto  – ou não – seja anotado, e você possa validar depois, quando as chaves forem finalmente entregues!

Mais alguma dica para a vistoria? Comenta aí!

Soleira: como e quando usar?

Vejo por ai, em diversos locais, soleiras de pedras, lindas. Como vejo muitos locais sensacionais que não utilizam soleiras. E isso é uma dúvida que tenho: usar ou não soleira no apartamento?

Fiz uma pesquisa enorme para evitar os erros no uso ou não da soleira. E reuni algumas informações que pode ser útil para quem tem as mesmas dúvidas que eu (e as que achei mais válidas, porque tem diversas opiniões diferentes !rs ) =)

A soleira é utilizada para a divisão dos cômodos, ela limita no chão, até onde vai a área de cada ambiente. Porém, com os ambientes cada vez mais integrados, o uso da soleira deve ser muito bem pensado para não gerar conflito no ambiente.

O uso da soleira na porta de entrada, por exemplo, é super recomendado pois dá a exata ideia de entrada da casa. Assim como na porta para a varanda, que divide a casa dá área externa.
Se o ambiente tiver desnível de piso, também é recomendado o uso pois separa e define claramente o desnível de piso.
Em uma sala e cozinha, pode ser utilizado ou não a soleira, depende da sua intenção, das combinações de piso, etc. Se o seu objetivo for ter os 2 ambientes bem integrados, mesmo que com pisos diferenciados, o uso da soleira não se faz necessário.
Já quando é a separação do banheiro com o corredor por exemplo, onde os pisos são diferentes, é super recomendado o uso, torna muito mais bonito a junção dos ambientes.

Fotos: Google

E as combinações?
A soleira pode ser similar e combinar com os pisos ao qual está separando o ambiente. Porém, há quem queira soleiras que contrastem com os pisos, dando a diferenciação de ambientes. Nos últimos tempos, é comum essa combinação (não faz meu estilo, e deve ser feita com cautela para não ficar estranho!)
O material da soleira também sempre é uma dúvida, o que sempre vejo o pessoal perguntando é se a soleira, deve ser igual às pedras das bancadas de pia de cozinha/banheiro… E não, não é obrigatório, o recomendado é combinar com os pisos…. Você pode colocar em tom similar, mas levar para o piso, o mesmo elemento da bancada que é um dos ‘destaques’ da cozinha, pode deixar o ambiente carregado.

Fotos: Google

Em resumo, o certo/errado do ambiente vai muito mais em qual a sua intenção no ambiente. há regras, claro, mas o uso da soleira depende bem do seu estilo… por tudo o que li, acho que no apê irei usar em: porta de entrada, separação de banheiros e porta da varanda. Acho que entre cozinha e sala não usarei, mesmo que os pisos sejam diferentes. E no quarto, é o dilema, pois não sei se vou usar o mesmo piso ou vou mudar :p

Agora, é a hora de começar a fazer as pesquisas dos ambientes, porque mês que vem espero conseguir pegar a chave para começar as mexidas no apê! \o/

Começando a pensar na reforma

Como todo novo apartamento, a gente nunca entra pra morar assim de cara que ele sai… Tem toda etapa de colocar piso (ou trocar, dependendo de como seu apartamento é entregue), gesso, pintura…

Contratualmente, em Maio começou a contagem regressiva: 1 ano para a entrega do apartamento, e a ansiedade já chamou pra um ponto: A reforma!

Não é uma etapa fácil: vem toda aquela avalanche de gastos, cálculos, junto com toda a mudança de vida…
Como não poderia deixar de ser, fui dar uma volta em uma loja de construções em SP!

Pisos, revestimento, pastilhas… cubas, torneiras, chuveiros, interruptores (SIM, TUDO!) tem que ser pensado, escolhido.. são tanto detalhes! Quando pensamos em reforma, sempre vem a ideia simples de piso e tinta. Mas quando arriscamos uma voltinha em uma casa de construção, descobrimos a infinidade de coisas que temos que providenciar.
As vezes penso em começar a comprar uma coisa por mês, para chegar na reforma já ter algumas coisas adquiridas, será que compensa?

Comecei a mapear alguns pontos que já posso ir pensando e escolhendo:

Torneiras: já viram a infinidade de torneiras que existem ? Tem daquelas simples, até aquele modelo monocomando – acho que é esse o nome – (aquele que tem uma mangueira na torneira, que facilita a lavagem de pratos – torneira de chef né? rs). Ah e claro, torneiras de 100 a 3.5 mil reais! :-O

Torneiras

 

Pisos e revestimentos: Esses definitivamente não dá para comprar antes, além da infinidade de modelos e preços, tem os tamanhos. Os pisos não recomendo comprar antes, se faltar, dificilmente encontro outro igual depois, se sobrar muito é um desperdício desnecessário.
Mas ter ideias de cores, modelos, ‘texturas’ – não gosto de piso fosco, por exemplo, que parece que é a grande maioria para o meu desespero -, já é bem válido, e claro se programar com custos, porque é uma etapa bem cara.

PisosETexturas01

Eu gosto muito da ideia de pastilhas na cozinha, por exemplo, mas encontrei um revestimento super lindo na loja que me fez pensar se realmente serão pastilhas, hahaha

textura01

E para ambientes que podemos dar um ar diferente para a parede, mas com variação e possibilidade de mudança, que tal um papel de parede de personalidade?

PapelDeParede2

 

Tive outra ideia andando pelos corredores da loja de construção móveis prontos. Para o lavabo, por exemplo, pode ser que não parta para móvel planejado, a loja dispõe de vários modelos, simples e lindos, que podem compor o lavabo sem necessariamente entrar no pacote de móveis planejados (os preços já dão uma ideia, quando cotar nos planejados posso comparar e ver qual a melhor saída!) Gostei de alguns modelos… hehe

 

Próximos passos? Começar adquirir algumas coisas para a reforma do apê, mas quero criar um controle, saber o que tenho e quanto gastei, será que consigo economizar, comprando as coisas aos poucos?

Vou criar um controle de Obra já, vamos ver em quanto sai essa brincadeira de reforma?

Reforma do Criado-Mudo – Parte 2 (finalmente pronto!)

Lembram que mostrei o processo de pintura do meu criado-mudo aqui ?

Pois é, terminei o post já dizendo que não estava achando legal o efeito, rs. A verdade é que a tinta deu o efeito que eu esperava, mas lembram que escolhi um acabamento fosco né?

Pois bem, já fica a dica para os projetos: madeira fosca é chata! Use apenas para móveis que você não terá um uso constante para apoios, etc. Ele risca fácil, suja fácil (ainda mais que é branco no meu caso, rs) e ele não limpa tão fácil quanto o brilhante, que dá um acabamento que permite a limpeza e suja menos.

E pensando nisso, resolvi continuar a personalização. Como a ideia era dar um toque mais descolado, resolvi personalizar, adicionar uns efeitos no criado. Pesquisa vai, pesquisa vem, optei por fazer um esquema com stencil, criando alguns diamantes vazados no tampo, em preto. Fiz alguns testes com stencio que eu mesma fiz usando sulfite, e ficou show. MAS, como testei em um modelo maior, e só 1 diamante, quando fui aplicar em um modelo menor, bom, nem preciso dizer que não deu certo né? hehe

Esqueci de fotografar como ficou a primeira vez que testei o stencil.. fiquei pensando em como resolver que pulei essa parte =

Enfim, como boa guerreira, e aprendiz do DIY comecei a pensar nas alternativas: Repintar o criado todo ou mudar mais ainda o criado. E claro que optei por mudar mais ainda! Mantive a idéia de utilizar stencil, só me programei melhor para usa-lo. Pintei todo o tampo de preto, cobrindo os diamantes ‘fail’ que fiz antes.
Depois, refiz o estêncil. Dessa vez corrigindo os erros anteriores: Fiz os diamantes maiores, mais espaçados e em uma única folha!

 

 

E para finalizar, coloquei novos puxadores. Originalmente eles eram um prata estranho, não achei nenhum modelo dourado legal. Mas eu mesma apliquei dourado neles  hehe (Spray é um vício!) . O dourado apliquei uma demão só, para que não ficasse muito chamativo… E o resultado final é esse:

 

Agora sim, criado-mudo concluído!

Como tive bastante tempo pra planejar, já emendei mais algumas novas idéias para as mudanças do quarto que andam me incomodando. Em breve os novos projetos =)

Reforma do Criado-Mudo – Parte 1

Lembra que falei das mudanças do quarto, nesse post aqui?
Pois é, uma da mudança foram os móveis (ou as cores deles) e vim explicar um pouco sobre como modifiquei.

Existem diveeersos modos de mudar a cor de um móvel de madeira, desde utilizar o contact e ‘encapa-lo’, até pintar o móvel.
Nesse caso eu optei por pinta-lo já que queria dar um acabamento fosco nele, e adoro a testura da tinta na madeira.

Para esse processo utilizei:

– Lixa fina para madeira (fininha, pra remover o verniz sem machucar a madeira)
– Solvente
– Tinta com acabamento fosco para madeira
– Rolinho pequeno para pintura
– Pincel para pintura

Meu criado estava nesse estado: Com alguns ‘machucados’, envernizado, adesivos colados, etc

1° passo (e fundamental, sem preguiça!) : Lixar – muito bem – o móvel. Retire o vestígio de verniz de toda a superfície, porque o verniz vai danificar sua pintura.

2° passo: Limpe bem. Retire todo o pó do móvel, lixar libera pozinho bem fininho, e ele vai deixar a pintura horrível! Limpe !

3° passo: Corrija esses machucados. Dê um acabamento legal pro criado. Eu esqueci de comprar a massa própria pra madeira. Sacomé né? Na pressa… Mas peguei um pouco de passa corrida, essas pra parede mesmo, como eram pequenos detalhes, com uma espátula fui tampando os burados e ‘machucados’ da madeira.

* Importante! Deixe secar a massa antes de passar a tinta!
** Se achar necessário, se tiver vergão ou falha na massa, passe uma licha bem fininha nela pra deixa-la lisinha!

4° passo: Leia bem as informações da tinta. Dissolva se necessário e inicie a pintura! Pintar exige paciência e cuidado.
Acho que o rolinho dá uma aparência bem mais bonita na pintura, porém se for um móvel com muitos cantinhos o pincel é importante para dar aquele acabamento final. E tenha paciência de esperar secar. Eu apliquei de 2 a 3 demãos em cada parte para ficar bem preenchido.

Coloquei um vidro em cima, só para dar um toque e preservar a tinta! No final, depois de tudo pintadinho, ele ficou assim:

Ah é, só passei uma tinta em um tom cinza (uns pingos de corange para tinta preto, e fez-se o cinza!) nos puxadores, só para dar um ar diferente enquanto não os troco.

Estou com algumas idéias de personaliza-lo, os puxadores estão totalmente caídos,  e vou fazendo aos poucos. Quero alterar os puxadores e dar um ar mais personalizado nele, e aquele toque ousado!

Logo logo mostro mais detalhes sobre ele e o resultado final !